Vizinhos ajudam-se com troca e venda de itens

Aproximação de comunidade beneficia quem precisa de auxílio

A recomendação de isolamento social afastou amigos e parentes que moram distantes, porém proporcionou a proximidade de vizinhos.

Com mais tempo e necessidades, condôminos e moradores unem-se para enfrentar a crise em várias cidades do Brasil.

Um exemplo é o que acontece em um condomínio na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Moradores decidiram vender produtos e fazer serviços para os vizinhos. O bistrô que costuma vender lanches e alguns itens básicos de mercearia, agora, expõe os produtos e divulga trabalhos locais.

– Nós não cobramos nada para expor os produtos dos moradores. Tem artesanato, máscaras de pano, livros, comida e também serviços, que a gente divulga. Nos elevadores e no aplicativo do condomínio também são feitas as propagandas do que os condôminos estão fazendo. Todo mundo acaba ganhando – declarou a funcionária Joyce.

A autônoma Teresa Maciel vende doces e viu a possibilidade de ajudar os moradores realizando entregas. Afirmou ainda que a união vai além.

– A gente tem que se ajudar. Eu faço bolos, por exemplo, e estou vendendo aqui. É bom para conseguir uma renda extra, que preciso. Mas o mais importante é ajudar quem está precisando mais. Uma idosa que precisa fazer compras, alguém que está em falta de um alimento eu vou lá e dou, ou alguém que precisa que cuide das crianças. Minha vizinha da frente está saindo para trabalhar, aí eu ajudo com a filha dela, por exemplo – declarou.

CONTRIBUIÇÃO DA TECNOLOGIA

Além das informações passadas pelos avisos do condomínio ou pelo boca a boca, aplicativos também crescem com o intuito de melhorar a comunicação entre vizinhos. O carioca Guilherme Martins precisava de um ferro de passar emprestado depois do dele ter quebrado. Ele então usou o aplicativo chamado Tem Açúcar? e resolveu a questão.

APOIO A PESSOAS COM COVID-19

A síndica Aline Gama conta que a união entre os moradores é incentivada para melhorar a vida em comunidade. Afirma que os funcionários foram orientados de forma diferenciada para proceder com pessoas que foram diagnosticadas com o novo coronavírus.

– Tivemos um casal que ficou isolado em casa depois do marido testar positivo. Então, fizemos um esquema diferente de retirada de lixo e abastecimento de alimentos para o casal. Eles evitaram passar pelas áreas comuns do prédio e puderam voltar às atividades normais depois de se curarem – relata.

O condomínio repetiu o que foi feito em outros prédios da sua região, como os condomínios Green Coast e West Coast e que são exemplos de outras cidades brasileiras. Baseado nos exemplos dessas comunidades, confira maneiras que vizinhos podem se apoiar durante a crise.

-Compra e venda de produtos feitos pelos moradores;

-Prestar serviços aos vizinhos, como consertos domésticos, faxina ou cuidar de crianças e idosos;

-Oferecer alimentos ou refeições para quem está com falta de suprimentos em casa;

-Aulas particulares para quem está com dificuldades de acompanhar conteúdo de aulas online;

-Oferecer uso do computador e internet para quem não possui em casa;

-Fazer compras e outros serviços na rua para pessoas do grupo de risco.

Fonte: Pleno News


Produzido por : Base Software